A depreciação de veículos traz aquela terrível surpresa chata na hora de repassar um automóvel. Você pagou X pelo seu carro e, na hora de vendê-lo, ele vale X – 20%, por exemplo.

Quem ainda não entende o porquê dos veículos desvalorizam de forma tão rápida é fundamental que passe a entender que essa depreciação acontece em razão de motivos diversos. Vale ressaltar também que um dos motivos da depreciação de veículos depende diretamente da demanda.

Como assim? Bem, quanto menor é a procura de um modelo de automóvel, maior será a perda do seu valor no mercado. É exatamente por isso que os modelos considerados de luxo e os veículos importados sofrem tanta depreciação de preço, geralmente, em um curto espaço de tempo.

Depreciação de veículos

Principais motivos para a depreciação de veículos

A depreciação de veículos faz com que o preço de um automóvel usado passe a ser desvalorizado de forma gradual, em geral, por porcentagem e por cada ano que se passa. Além disso, há outros motivos para a depreciação de veículos, que faz com que ele valha menos na hora da venda.

Confira, a seguir, como funciona a depreciação de veículos, ou seja, os principais motivos que fazem os preços de venda despencarem:

 

  • Oferta e demanda do carro

 

A depreciação do valor do carro, como já foi mencionado, depende de diversos fatores e um deles é a relação de oferta e demanda. Carros da moda, carros de luxo e veículos importados são alguns dos modelos que mais sofrem desvalorização na hora de repassá-los.

Isso acontece porque o interesse dos consumidores por esses carros, em geral, é temporário. Logo esses modelos deixam de ser cobiçados no mercado.

Além disso, no caso dos importados, a manutenção costuma ser bem cara – o que faz o dono do carro querer vendê-lo, mas o comprador não querer pagar o preço sem antes conferir, por exemplo, o valor na Tabela FIPE, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP.

 

  • Quilometragem rodada

 

O motivo da depreciação de veículos aqui é óbvio. Quanto mais quilômetros um auto rodou, mais desvalorizado ele será no momento de revendê-lo.

Portanto, antes de fazer a troca de carro, confira a quilometragem do seu auto atual. Lembre-se de que, em geral, os automóveis rodam em média 12 mil km por ano.

 

  • Ano do carro

 

O modelo do automóvel tem grande influência no preço de revenda do carro. Obviamente, se o carro estiver bem conservado e tenha rodado pouco, a depreciação será menor e você conseguirá vendê-lo por um preço melhor.

 

  • Conservação do veículo

 

A maioria das pessoas, hoje em dia, vende o carro direto para concessionárias, como entrada para adquirir um novo veículo. Nesse caso, o automóvel passará por uma detalhada inspeção do estabelecimento.

O objetivo é conferir até os menores problemas que o auto tenha, para adquiri-lo pelo menor valor possível. Afinal, a concessionária quer ganhar o máximo que puder.

Mas, se o carro realmente estiver em boas condições, não tem como achar problemas que não existem. E assim, a concessionária será obrigada a comprá-lo por um valor justo e com menos desvalorização.

 

  • Alterações no veículo

 

Carros com alterações mecânicas ou estéticas, normalmente, sofrem com a depreciação de veículos. Mesmo que a aparência do automóvel tenha ficado mais bonita que a de fábrica, o preço desvaloriza do mesmo jeito.

Portanto, pense bem antes de fazer alterações no seu veículo. Na hora que você quiser vendê-lo ou trocá-lo, certamente, ele apresentará desvalorização no valor.

Cuidado, por exemplo, ao modificar a cor do veículo. Umas são mais receptivas do que outras pelo mercado. Lembrando que as melhores cores de carro para revender são aquelas mais sóbrias.

Já alguns itens de segurança podem valorizar o preço de revenda. É o caso da blindagem, ou seja, carros blindados, ao serem revendidos, costumam ser mais valorizados, ao invés de desvalorizados devido à alteração de fábrica.

 

  • Tabela Fipe

 

A FIPE trata-se de uma tabela de valores de carro que funciona como um indicador mensal de preços médios. Ela inclui carros fabricados desde o ano de 1985 até a atualidade.

Os preços da tabela FIPE são calculados, geralmente, com base em todas as transações que envolvem o modelo de um automóvel. Mas vale ressaltar que os automóveis não são obrigados a serem vendidos ou comprados pelo valor de referência da tabela FIPE. No entanto, os valores sempre acabam sendo parecidos com os recomendados na tabela.

Confira aqui os carros mais valorizados, de acordo com a tabela FIPE.

Na hora de comprar um carro

Na hora de comprar o seu carro, pense que existirá sempre uma desvalorização quando você quiser passá-lo para frente. Tenha em mente também que a depreciação de veículos diminui após os 2 primeiros anos de uso do carro.

Além disso, manter o carro bem conservado e não fazer alterações estéticas reduziram a depreciação quando você quiser vender ou trocar o seu automóvel.

Depreciação de veículos: veja como funciona